terça-feira, 25 de julho de 2017

Membro dos Direitos Humanos fazia falsa denúncia a mando de Facção Criminosa

Advogados levantavam os endereços dos agentes públicos para serem mortos


Por que não vemos ONGs ou instituições para auxiliar as vítimas do crime: pais, mães, orfãos, viúvas? Mesmo o Brasil com uma taxa de morte de 60.000 ao ano e centenas de policias mortos em serviço? Isso não sabemos, mas o fato é  que o ex-vice-presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe) Luiz Carlos dos Santos foi afastado do cargo logo após ser preso em novembro do ano passado. Em depoimento, na época, ele confessou ter recebido dinheiro a fim de usar sua influência para levar aos desembargadores Antonio Carlos Malheiros e Luiz Edmundo Marrey, que representavam o Tribunal de Justiça na composição no Condepe, falsas denúncias de maus tratos em unidades prisionais onde estão integrantes do PCC.



Santos, foi condenado, com outras quatro pessoas, por integrar organização criminosa e por corrupção ativa a dezesseis anos, dois meses e cinco dias de reclusão. Graças à Operação Ethos, realizada pela Policia Civil e o Ministério Público, foi descoberto trinta e nove advogados ligados à organização. O Ministério público, alega que a célula jurídica comandava um esquema de pagamentos de propinas a agentes públicos e integrantes do Condepe.  O Vice Presidente tinha como missão dada pela Facção, influenciar autoridades, como juízes e desembargadores em questões envolvendo chefe dessa facção criminosa e participar de ações que pudessem prejudicar a imagem do sistema prisional paulista perante organismos internacionais, como criticar a qualidade da comida servida aos presos nas penitenciárias, notícia falsa que servem comida com caco de vidro bem como implantar falsas denuncias contra a polícia. O intuito é desestabilizar a segurança do estado de São Paulo. O ex-vice-presidente, também acusado de repassar informações de dentro do órgão para a organização criminosa, disse que inicialmente teria recebido R$130.000, e depois R$ 2 mil passaram a ser depositados mensalmente na conta de sua mulher a partir de 2015. A quantia, em seguida, foi reajustada para R$ 4 mil e depois para R$ 5 mil.

O acusado confessou também ter recebido R$ 8 mil para fazer uma vistoria na penitenciária feminina de Tupi Paulista, onde as presas estariam sendo torturados. Está preso desde o ano passado em Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, recolhido em cela isolada na Penitenciária 1 de Presidente Venceslau, no Oeste do Estado, onde foi ameaçado de morte por advogados do PCC, segundo o MPE (Ministério Público Estadual). O MPE apurou que Santos foi ameaçado de morte na prisão pelo advogado José Ribamar do Lago Júnior. O pai do advogado é procurador de justiça no Piauí. Quando soube da prisão do filho viajou até Presidente Prudente.

Advogados do Crime contra a Polícia

O Inquérito da Operação Ethos foi finalizado com quarenta e um volumes, cada um com duzentas páginas. A investigação também comprovou a existência de um esquema dos chefes do PCC de utilizar advogados ligados à organização responsáveis pela resolução de problemas jurídicos da facção no cotidiano, que fazem parte da "Sintonia das Gravatas" e até na participação de crimes, como levantar endereços de agentes públicos para futuros ataques. A sentença é um desmembramento do processo, que investiga outras quarenta e nove pessoas por envolvimento com a facção. Além de Santos, foram condenados os advogados José Ribamar Baima do Lago Júnior, Simone Lage Guimarães, Osvaldo Antonio de Oliveira e Marcos Antonio Antunes Barbosa. Lago Júnior recebeu pena de quinze anos e cinco meses, mais multa, enquanto os outros foram condenados a oito anos e nove meses de reclusão cada um. Ao todo, cinquenta e quatro pessoas foram denunciadas na Operação Ethos, a maioria advogados. Todos tiveram a prisão preventiva decretada, sendo que quatro deles permanecem foragidos.


 Segundo a denúncia, esses advogados não eram representantes formais dos líderes que se encontram presos. O Ministério Público alega que a célula jurídica, comandava um esquema de pagamentos de propinas a agentes públicos e integrantes do Conselho Estadual de Direitos Humanos, a Condepe, além de serem “pombos-correios”, ou seja, levavam e traziam recados para a liderança do PCC.



O julgamento foi presidido pelo juiz Gabriel Medeiros, da 1ª Vara Criminal de Presidente Venceslau.
Na sentença, o juiz observa que Santos, mais do que os outros réus, tinha o dever de proteger os valores defendidos pelo Condepe e, por isso, sua pena foi mais elevada em relação aos demais. Segundo o magistrado, Santos, ao usar o cargo no Condepe, expôs autoridades de forma deplorável, imoral, criminosa e inescrupulosa sendo que a sua conduta provocou efeito negativo em outras importantes instituições. O juiz determinou que os réus devem cumprir a pena em regime fechado, sem o direito de recorrer em liberdade.


                                                                                                                 Marcos  Santos 


Noticias Relacionadas:

https://ponte.org/ex-diretor-de-entidade-de-direitos-humanos-e-condenado-a-15-anos-de-prisao-por-elo-com-o-pcc/

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/justica-condena-ex-vice-presidente-do-condepe-e-mais-4-advogados-por-integrarem-faccao-criminosa.ghtml

 http://www.tjsp.jus.br/Noticias/Noticia?codigoNoticia=44980&pagina=1

Visite o Facebook: 

 Carcereiros Policiais - Polícia Civil SP- Link: https://www.facebook.com/groups/carcepol/ 

Pagina CarcepolForce - Link:  https://www.facebook.com/ribmark3001/

Canal no Yotube: Carcepolforce:

Link: https://www.youtube.com/channel/UC7QzLYa3e2qQ2ij86gIdjtw

 

video

 

terça-feira, 18 de julho de 2017

Guerra que ninguém quer ver e a Entropia Social



Novo Rosto do Brasil?





Essa foto acima é de imagens recentes que estão nas redes sociais que mostram uma execução dentro de um presidio devido a disputa entre facções,  isso deixa claro que estão adotando técnicas de terror semelhante as  do Grupo do Estado Islâmico, ISIS, para espalhar o terror entre os inimigos e população.Entre 2011 e 2015, o Brasil teve um total de 278.839 assassinatos. Só no ano passado, uma pessoa foi morta a cada nove minutos no país, ou seja nesses cinco anos, na Síria, entre março de 2011 e novembro de 2015, a guerra causou 256.124 mortes, segundo estimativa da Agência da Organização das Nações Unidas para os Refugiados.


 A violência no Brasil matou mais que a guerra na Síria, hoje vemos centenas de policiais que são nossos combatentes,  homens e mulheres morrendo no dia a dia nessa luta, bem como cidadãos de bens e seus familiares, filhos, país, irmãos. Não vemos ONGs, ou igrejas auxiliando as vitimas dessa guerra, porém vemos muitas matérias de que a policia brasileira é a que mais mata em serviço ou na folga, só que eles esquecem de acrescentar que esses mortos não são cidadãos, são soldados do crime que estão caçando cidadãos e policiais, cada vez mais leva a violência a outros níveis, visto apenas em países em guerra.  Pesquisa do Instituto Sou da Paz que analisou morte de policiais constatou que houve um aumento de 16% no número de morte de policiais no último ano em São Paulo. Sete em cada 10 policiais mortos estavam fora de serviço. 99% eram homens e 60% estavam sozinhos na hora da abordagem. Dados do Anuário de Segurança Pública mostram que 393 policiais foram mortos no Brasil em 2015, ou seja, mais de um policial por dia.


O Brasil atualmente tem oitenta e três facções criminosas, segundo pesquisas, todas em guerra por território, fora milhares de dependentes químicos que realizam, roubos, furtos e invasão a residências em busca de valores para saciar o seu vicio. Seria justo dizer que nesse ritmo a cada ano centenas de jovens sendo aliciados pelo crime, a nossa sociedade estaria correndo para um colapso.

Conclusão

Essa entropia inevitável só seria evitada se houvesse uma reforma em toda a estrutura legal., ja´que nosso código penal é de 1941. Países como o Reino Unido possuem prisão perpétua algo que poderia estar presente no Brasil para um número muito restrito de crimes hediondos, dentre os quais a morte de policial. É preciso ter um sistema efetivo de penas alternativas no Brasil da mesma forma que precisamos ter penas mais duras para criminosos crimes hediondos. Muitas vezes, a família de policiais mortos enfrenta dificuldades para conseguira indenização do Estado. Outra medida importante seria  uma campanha de conscientização nas escolas, para diminuir o numero de recrutamento de soldados no crime, O tráfico de drogas é o crime mais cometido por adolescentes no Brasil.  Só em 2016, foram quase 60 mil ocorrências registradas pelas Varas de Infância e Juventude. Esses adolescentes respondem hoje por 249,9 mil atos infracionais, já que uma mesma pessoa pode responder por mais de um delito. Só por roubo qualificado, que encabeça a segunda posição no ranking de crimes mais cometidos por adolescentes entre 12 e 17 anos de idade, são 51,4 mil ocorrências. Outro ponto importante seria juntamente  uma reforma no ensino, bem como investimento nas pequenas, média e grandes empresas, assim como no setor agropecuarista para gerar empregos para gerações futuras . Uma reforma em toda infraestrutura e conduta moral do cidadão,talvez seja a única chance de evitar o colapso. A mudança e a vit´roia nessa guerra urbana, depende de cada um de nós, por meio de nossas escolhas e o que transmitimos aos jovens.

                     Veja o vídeo abaixo e entenda o tipo de Guerra que as famílias enfrentam hoje:

video

                                                                                       Marcos A. R. Santos

Noticias Relacionadas:




Visite o Facebook: 

 Carcereiros Policiais - Polícia Civil SP- Link: https://www.facebook.com/groups/carcepol/ 

Pagina CarcepolForce - Link:  https://www.facebook.com/ribmark3001/

Canal no Yotube: Carcepolforce:

Link: https://www.youtube.com/channel/UC7QzLYa3e2qQ2ij86gIdjtw



video


segunda-feira, 10 de julho de 2017

Unificação das Policias: Continua em Andamento, mas é Alvo de Críticas das Categorias






A Comissão Especial destinada a estudar e apresentar propostas de unificação das polícias civis e militares continua analisando  e fazendo pesquisas para poder divulgar o relatório final no primeiro semestre de 2018.  A própria ONU recomendou em 2012  ao Brasil  a  extinção das duas forças policiais e criar um modelo novo unificado.  Porém a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 430/2009) que tramita no Congresso Nacional  foi alvo de críticas na audiência pública de  sexta-feira (7), na Assembleia Legislativa da Bahia.

Durante o debate,  o evento foi coordenado pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da Casa, deputado estadual Marcelino Galo (PT), os representantes das categorias se mostraram contrários a PEC, pois acreditam que a unificação das polícias não resolverá os problemas do quadro atual da Segurança Pública.

“Normalmente essas mudanças são extremamente superficiais, não apontam sequer um possível resultado, em outros momentos elas estão circunscrita a interesses meramente corporativistas, de manutenção de poder, de preservação de privilégios. Ao meu ver estamos diante de uma proposta que se situa numa suposta modernização, mas sem tratar do cerne do que precisamos abordar que é a segurança pública como um todo”, avaliou o Policial Civil Cleber Rosa, ao considerar que a presença de mais policiais nas ruas “não representou, nos últimos anos, mais segurança para a sociedade”.

“As polícias civis e militares não foram ouvidas na elaboração dessa PEC. Essa discussão, pelo que conheço, passa de cinco décadas. Será que em trinta e três anos de serviço na Polícia Militar, que eu tenho, e outros colegas que estão aqui tem, não precisariam ser ouvidos? Qual o pensamento (que há por trás da PEC), é político, é técnico, é ideológico?”, refletiu o Major Elsimar Alcântara, presidente da Força Invicta.

Em contra partida o deputado federal Edson Moreira (PR-MG), presidente da Comissão Especial destinada a estudar e apresentar propostas de unificação das polícias civis e militares, que é delegado, considera o atual modelo de polícia no Brasil ultrapassado, sem conseguir atender as demandas contemporâneas da sociedade por segurança. Para ele, a adequação das funções, com a unificação das polícias, não seria problema, “pois as carreiras poderiam ser evolutivas, com concursos únicos e com possibilidades de crescimento tanto na instituição policial como na própria função ocupada”. Moreira ainda  argumenta que tem participado de audiências públicas nos estados com objetivo de coletar mais informações que contribuam com o aperfeiçoamento da PEC e consolide a ideia de unificação das polícias civil e militar como forma tornar o combate ao crime mais eficaz. “Os elevados índices de criminalidade reforçam a necessidade de investimentos em propostas alternativas que tenham resultado efetivo. A unificação das polícias é uma dessas alternativas”, enfatizou.

Na avaliação do especialista em Segurança Pública e Perito Técnico da Polícia Civil, Marcel Engrácio, a criação de uma única força de segurança estadual não é a melhor solução porque ela não resolverá os problemas e dilemas enfrentados pela sociedade com a pauta. “No momento em que você realiza a unificação e uma só carreira, e essa carreira única terá apenas um chefe, você vai concentrar o poder ostensivo da polícia como o poder investigativo, na mão de uma única pessoa. Isso é um perigo para a sociedade, para uma sociedade democrática”, ponderou. Para Galo é preciso pensar no aparato da segurança pública como um todo, “de forma estruturante, no sentido de fortalecer e ampliar as ações coordenadas, envolvendo diversos atores sociais, institucionais e políticos, que tornem o sistema mais eficiente, tendo, por outro lado, mecanismos de controle social”.

Todas as  opiniões colhidas durante a audiência pública foram incluídas no relatório da Comissão Especial destinada a estudar e apresentar propostas de unificação das polícias civis e militares. Também participaram do debate o presidente do Sindicato da Policia Federal do Estado da Bahia, Zé Mario Lima, Albino Apolinário, da Associação dos Praças da Polícia Militar, os deputados Ângelo Almeida e Bira Coroa, membros e representantes de sindicatos e associações representativas das polícias Civil e Militar e interessados no assunto.



  Veja última tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 430/09  no dia 13/06/2017  no link abaixo:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1568720&filename=Tramitacao-PEC+430/2009 

Veja aqui os Princiapais alterações da PEC:


A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 430/09, em análise na Câmara dos Deputados, institui uma nova organização policial estadual e extingue as atuais polícias militares. Pelo texto, do ex-deputado Celso Russomanno, caberá à União legislar sobre essa nova estrutura (polícia estadual), que será subordinada aos governadores de estado e do Distrito Federal.

O autor da PEC ressalta não se tratar de unificação das polícias, mas da criação de um novo sistema de segurança pública. Ele destaca também que os integrantes das polícias existentes “não sofrerão nenhum tipo de prejuízo remuneratório ou funcional”.
A proposta assegura aos atuais integrantes das polícias – civil e militar – optar por migrar para o novo sistema ou permanecer na carreira vigente. Caso faça a segunda escolha, o projeto assegura paridade remuneratória e igualdade em todos os direitos.


Bombeiros e guardas civis

A PEC também extingue os corpos de bombeiros militares – a instituição passa a ser totalmente civil. Embora permaneça de competência dos estados, a organização das corporações será instituída por lei federal, editada pelo Executivo.
Ainda conforme a proposta, as guardas municipais poderão realizar atividades complementares de vigilância ostensiva comunitária. Para isso, no entanto, será necessário convênio com a polícia estadual e coordenação do delegado.

Estrutura

O texto estabelece a organização básica da polícia. A nova estrutura terá uma direção geral em cada estado e no DF. O delegado-geral será escolhido pelo governador entre os integrantes da última classe da carreira de delegado.
Para ocupar o cargo, o candidato deverá ter mais de 35 anos e ser aprovado pela maioria absoluta dos integrantes da assembleia ou câmara legislativa. O mandato será de dois anos, permitida uma recondução.
Para ser delegado, por sua vez, a proposta prevê a exigência de formação superior em Direito. Todos os cargos da polícia somente poderão ser preenchidos por concurso público de provas e títulos, com a participação obrigatória da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no processo.
Ainda segundo o texto, a atividade de perícia, apesar de integrar a polícia e subordinar-se ao delegado, terá autonomia técnico-funcional.

Transição

Durante o período de transição do modelo atual para o novo, a direção da polícia será exercida de forma alternada entre um oficial da polícia militar e um delegado da polícia civil. Cada um permanecerá no cargo por dois anos. Ainda assim, a proposta determina que os critérios de atuação desse profissional serão estabelecidos em lei, e somente poderá exercer a função quem tiver curso superior em Direito.

Controle e financiamento

Com o objetivo de exercer o controle da atividade policial e dos corpos de bombeiros, a PEC institui o Conselho Nacional de Segurança Pública, órgão colegiado composto por 20 membros. Esses integrantes, oriundos de diversos órgãos relacionados à segurança pública e da sociedade civil, serão nomeados pelo presidente da República, depois de aprovação pela maioria absoluta do Senado. O mandato será de dois anos.
A proposta prevê ainda a criação, por meio de lei complementar, dos fundos nacional, estadual e municipal de segurança pública, constituídos por um porcentual da arrecadação de cada um desses entes federados.

Tramitação
A proposta encontra-se na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania para análise da admissibilidade, com relatoria da deputada Sandra Rosado (PSB-RN). Caso seja acolhida, deverá ser avaliada por comissão especial criada para este fim, antes da votação em dois turnos pelo Plenário.


Como podemos ver acima a unificação continua sendo a meta do governo federal para reorganizar as polícias. Esperamos que esse projeto possa auxiliar no combate contra as facções criminosas em todo país, bem como as centenas   de policiais  mortos anualmente. Pois apesar desses grandes profissionais, homens e mulheres, darem seus sangue literalmente na profissão, ainda  encontram grandes problemas em relação a baixos salários, aposentadoria e processos de tortura em crimes que atuam, e sem falar não reconhecimento  da sociedade pelo seu trabalho.

                                                      


                                                                                         Marcos Santos





Links relacioados :


 http://marcelinogalo.com/n/unificacao-das-policias-civil-e-militar-e-criticada-em-debate-na-assembleia-legislativa

 http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/SEGURANCA/471218-PEC-INSTITUI-NOVA-POLICIA-CIVIL-E-EXTINGUE-POLICIAS-MILITARES-NOS-ESTADOS.html

 http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/politica/2017/02/08/interna_politica,688243/comissao-aposta-em-unificacao-das-policias-para-solucionar-crise-de-se.shtml


Visite o Facebook: 

 Carcereiros Policiais - Polícia Civil SP- Link: https://www.facebook.com/groups/carcepol/ 

Pagina CarcepolForce - Link:  https://www.facebook.com/ribmark3001/

Canal no Yotube: Carcepolforce:

Link: https://www.youtube.com/channel/UC7QzLYa3e2qQ2ij86gIdjtw

 

video

 

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Policiais Mortos em Batalha... Quem se Importa?

Guerra Urbana do Dia a Dia e a Baixa dos Heróis Anônimos







No Brasil, um policial é assassinado a cada 32 horas. Em 2012 Camila Dias, do Núcleo de Estudos da Violência da USP, já havia alertado o numero  elevado de policiais mortos. Militares e civis. A pesquisadora da USP ainda lembrou  que a maioria dos policiais são mortos durante a folga porque estão mais vulneráveis e a identificação dos atiradores é difícil. Nos noticiários eles dão enfase quando dizem que o policial foi morto na folga, como se quisessem dizer que ele morreu por outros motivos além de sua ou profissão ou ainda quando falam que o policial matam em período de folga eles não mencionam que eles estavam se defendendo de um ataque. Eles morrem justamente por protegerem a população e serem a linha de defesa entre o cidadão de bem e as facções criminosas que hoje no Brasil segundo pesquisas estão por volta de 83 espalhadas por todo Brasil, fruto da cultura marginal disseminada por meio das musicas, filmes ou mesmo ONGs onde o jovem é doutrinada a odiar a ordem social, professores, policiais e se alistarem em facções que se auto intitulam como um movimento popular onde o jovem terá poder em seu bairro, terá armas, reconhecimento, dinheiro e muitos bens materiais.


Em um artigo  datado de 2 de fevereiro de 2014,  o número de policiais mortos no Brasil era na casa de 500 por ano, sendo em São Paulo: 201 PMs, ante 28 civis.  

Entre janeiro e dezembro de 2016, morreram 493 profissionais de segurança pública em todo o Brasil. Corresponde a 1,35 por dia. Sem contar centenas de feridos só no Rio de Janeiro foram  contabilizados  556 feridos até outubro do ano passado.





Os dados fazem parte do Mortômetro, instrumento criado pela Ordem dos Policiais do Brasil (OPB) para o monitoramento do aumento da violência contra policiais militares, civis, federais, rodoviários federais, ferroviários federais, legislativos, agentes penitenciários, agentes de trânsito, guardas municipais, guardas portuários e bombeiros. O presidente da Ordem dos Policiais do Brasil (OPB),. “A violência ultrapassou barreiras e os profissionais que a combatem são suas maiores vítimas”, diz ele. O maior número de mortes aconteceu entre os policiais militares (335), policiais civis (68) e guardas municipais (34).Levando em consideração o número do efetivo, as 17 mortes entre os PRFs são, proporcionalmente, as maiores. O Rio de Janeiro é o campeão com 133 mortes, seguido de São Paulo com 54 e Bahia com 41. O Mortômetro permite avaliar ainda quais as regiões tiveram maior número de profissionais mortos. Dentre os dez primeiros colocados, estão três estados do Sudeste (Rio de Janeiro, São Paulo e Minas) e quatro do Nordeste (Bahia, Ceará, Alagoas e Pernambuco). Todos os dados estão sendo catalogados e serão transformados num dossiê, o qual deve servir como base para a elaboração de propostas de mudança para segurança pública. Centenas de pais, filhos, filhas, mães e amigos, fizeram o sacrífico maior em defesa da sociedade,  sem o reconhecimento daqueles que protegem.
Salientando que, só no Rio de Janeiro já contabiliza 81 policiais militares mortos em. O número já é maior que os 77 registrados em todo o ano passado. Entre os mortos este ano, 15 estavam em serviço, 45 de folga e 17 eram reformados ou aposentados e fora os feridos, para cada morto tem-se, em média, três feridos. 



Cidadania X Cultura Marginal


 Como questionado acima no título acima, sobre esses números, quem se importa? A ideologia da Cultura Marginal como dito acima se refere a empoderamento do jovem onde ele não deve temer as forças de moralização como professores, policiais ou qualquer instituição estatal estabelecida, e ainda uma vez se alistando nesses grupos criminosos ele ganha respeito e prestigio em seu meio, esse fenômeno chamado de A Labeling Approach Theory, ou Teoria do Etiquetamento Social vemos a despersonalização do individuo sendo absorvido e doutrinado como soldado em uma guerra urbana. Em contra partida o policial recebeu a herança da estigmatização do agente opressor, braço do Estado na época da ditadura. Hoje nas músicas ligadas a cultura marginal, bem como os filmes biográficos de criminosos nacionais a vida marginal é romantizada e o policial é o eterno agente da corrupção e violência. Nesse processo degenerativo vemos notícias  tendenciosas circulando onde se diz que a policia brasileira é a que mais mata ou que matam em seu período de folga, mas eles não falam sobre as várias facções criminosas existentes desde o Amazonas até o Rio Grande do Sul e que nesse cenário de guerra o policial mesmo contando com parcos recursos desempenha a sua função e sendo alvos mesmo durante sua folga. Bons e maus profissionais existem em todas as áreas seja pública ou privada, mas apenas as minorias corruptas é que são exploradas pela mídia, os responsáveis por centenas de prisões mensais, sendo que graças a essas prisões foi criado um grande numero de presídios em todo país não é contabilizado.  Essa ideologia de  inversão revolucionária dos valores tradicionais enraizados no Brasil são baseados na escola de Frankfurt e idealizada por marxistas como Herbert Marcuse, que  estabelece a quebra da moralidade  estabelecida. A única esperança será uma mudança na estrutura da cidadania de nossa sociedade onde desapareça a vitimização do excluído social e o enaltecimento de sua vida dentro da miserabilidade como motivo de orgulho, e assim construir um país onde o jovem tenha ferramentas para ter uma profissão, poder fazer uma faculdade, constituir uma família, e que funcionários públicos como professores , policiais e demais instituições sejam visto pela importância que possuem como colaboradores responsáveis pelo bem estar social.


                                            Geração Cultura Marginal







Faccções conhecidas existentes em todo Brasil:

1) PCC – Primeiro Comando da Capital (SP)
2) CV – Comando Vermelho (RJ)
3)FDN - Família do Norte (AM)
4) TCC – Terceiro Comando da Capital (SP, RJ)
5) CRBC – Comando Revolucionário Brasileiro da Criminalidade (SP)
6) CDL – Comando Democrático da Liberdade (SP)
7) Seita Satânica (SP)
8) PCMS – Primeiro Comando do Mato Grosso do Sul (MS, ligada ao PCC),
9) Manos (MS, RS)
10) TC – Terceiro Comando (RJ, BA)
11) ADA – Amigos dos Amigos (RJ, CE, ES)
12) IDI – Inimigos dos inimigos (RJ)
13) Amigos de Israel (RJ)
14) Bonde dos 40 (AM, PI)
15) Primeiro Comando do Norte (AM, RR, CE
16) 300 Espartanos (AM,
17) Primeiro Comando da Mariola (RR)
18) Equipe Rex (PA)
19) Bonde dos 30 (PA)
20) Comando Classe A (PA)
21) GDA - Gangue da Ponte (AP)
22) Primeiro Comando do Maranhão (MA)
23) Bondinho da Ilha (MA)
24) Primeiro Grupo do Estreito (MA)
25) B40 – Bando dos 40 (MA)
26) ADM – Anjos da Morte (MA)
27) COM – Comando Organizado do Maranhão (MA)
28) Bonde dos 300 (MA)
29) PCM - Primeiro Comando de Campo Maior (PI)
30) PCE – Primeiro Comando de Esperantina (PI)
31) Facção Criminosa de Teresina (PI)
32) Guardiões do Estado (CE)
33) PCN - Primeiro Comando de Natal (RN)
34) SDC - Sindicato do Crime (RN, PB)
35) Al-Qaeda (PB)
36) Estados Unidos (PB)
37) Comando Norte/Nordeste (PE)
38) Firma (AL)
39) PCM - Primeiro Comando Metropolitano (SE)
40) Comando da Paz (SE, BA)
41) Bonde do Maluco (BA)
42) DPM (BA)
43) MPA (BA)
44) Bonde do Ajeita (BA)
45) Katiara (BA)
46) Comando da Perna (BA)
47) Caveira (BA)
48) Comando Mineiro de Organizações Criminosas (MG)
49) PJL - Paz, Justiça e Liberdade (MG)
50) Primeiro Comando Mineiro (MG)
51) Primeiro Comando das Minas Gerais (MG)
52) Milícias (RJ)
53) Povo de Israel (RJ)
54) Primeiro Comando de Vitória (ES)
55) CJVC – Comando Jovem Vermelho da Criminalidade (SP)
57) Gaviões da Fiel (SP)
58) Cerol Fino (SP)
59) Comissão Democrática da Liberdade (SP)
60) PGC – Primeiro Grupo Catarinense (SC)
61) PCRV – Primeiro Crime Revolucionário Catarinense (SC)
62) CL – Comando Leal (SC)
63) Serpente Negra (SC)
64) PL- País Livre (SC)
65) PGO – Primeiro Grupo de Oposição (SC)
66) FRC (Força Revolucionária Catarinense)
67) Bala na Cara (RS)
68) Os Tauras (RS)
69) V7 (RS)
70) Os Abertos (RS)
71) Unidos Pela Paz (RS)
72) CPC – Comando Pelo Certo (RS)
73) Amigos Leais (RS)
74) Primeiro Comando do Paraná (PR)
75) Primeiro Comando da Liberdade (MS)
76) Grupo G (MS)
77) PLD - Paz, Liberdade e Direito
78) Bad Boys (MT)
79) Baixada Cuiabana (MT)
80) Comando Verde (MT)
81) Amigos Leais (RO)
82) Crime Popular (RO)
83) Bonde dos 13 (AC)
 
                                                                                            

                                                                                            Marcos Santos

Links Relacionados:


 http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/numero-de-mortos-por-policiais-fora-de-servico-em-2016-e-recorde-em-sao-paulo.ghtml

 http://www.bombeirosdf.com.br/2016/11/qantos-policiais-morrem-por-ano-no.html

http://www.adpf.org.br/adpf/admin/painelcontrole/materia/materia_portal.wsp?tmp.edt.materia_codigo=5313&tit=-Brasil-tem-um-policial-assassinado-a-cada-32-horas---#.WV1uaemQyHs

 http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/10/rj-tem-115-policiais-mortos-e-556-feridos-somente-este-ano.html

 https://sejaforcaehonra.com.br/2016/12/31/policiais-mortos-no-brasil-em-2016/

Visite o Facebook: 

 Carcereiros Policiais - Polícia Civil SP- Link: https://www.facebook.com/groups/carcepol/ 

Pagina CarcepolForce - Link:  https://www.facebook.com/ribmark3001/

Canal no Yotube: Carcepolforce:

Link: https://www.youtube.com/channel/UC7QzLYa3e2qQ2ij86gIdjtw


video

Um PM é assassinado no Rio de Janeiro a cada dois dias e meio... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2017/03/19/um-policial-militar-e-assassinado-no-rio-a-cada-dois-dias-e-meio.htm?cmpid=copiaecola

Você pode gostar de ver também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...